Divagações de Inverno

As pessoas passam a vida inteira procurando algo que preencha um certo vazio interior, uma sensação de deslocamento no tempo-espaço, uma intuição que diz lá no fundo do seu âmago que a vida não pode ser somente isso que se passa aos olhos da maioria conformada. E, quando encontram alguém que parece preencher esse algo que falta, descobre que esse alguém também está procurando algo ou alguém que preencha o seu vazio... mas encontra em outro lugar, em outra pessoa, que também está procurando esse algo mais em outro, e assim todos se perdem num emaranhado sem fim de encontros e desencontros, de disputas de poder e de posse por algo que nem mesmo existe, porque esse vazio é vago, e o que pode preenchê-lo, indefinível.

Pessoas que estão perto muitas vezes estão tão longe que, se fossem se distanciar fisicamente, teriam que sair de órbita (e algumas realmente estão fora de órbita, a maior parte do tempo); pessoas que parecem distantes muitas vezes estão tão próximas que já não se distingue onde começa um e termina o outro; corações são músculos que bombeiam o sangue dentro de cada corpo, mas são fragmentos de um que existem dentro de muitos, e partes de muitos que moram dentro de um; a alma é aquela parte de nós que ouve uma voz ou lê uma mensagem, e já sabe a palavra seguinte antes mesmo de ser escrita ou dita, e sente se o "oi" ou "bom dia" vem acompanhado de sorrisos ou de lágrimas, antes que a conversa comece.

"Diz-me com quem andas, e te direi quem és"? Digo mais, ouso além do senso popular: Sinta aqueles que amas, e saberás quem és, independente do que eu possa te dizer, ou do que o mundo pareça contar.

O vazio é real? Se for não é vazio; e se vazio for, não é sentido. E se não é sentido, não faz parte da vida. Mas mesmo não fazendo parte da vida, pode fazer parte do mundo, assim como muitas outras partes do mundo que são tidas como reais e concretas, mas são tão ou mais vazias do que todo esse discurso, para aqueles que, chegando a este final, acreditarem que acaba aqui.

Andarilho §amurai

Um comentário:

Alcyátima disse...

É sim, meu coração é um pedainho de vc q está batendo aqui dentro!
Love you!
Sem noção!!!!
Bjos, Fabi!